segunda-feira, 24 de agosto de 2015

As Uvas e suas Nacionalidades

O vinho molha e tempera os espíritos e acalma as preocupações da mente… ele reaviva nossas alegrias e é o óleo para a chama da vida que se apaga
Sócrates (470-399 a.C.)

separador

riesling

Branca e aromática, com singulares notas de petróleo, a uva mais cultivada na Alemanha está longe de ser uma preferência mundial.

Mas poucas cepas podem se orgulhar de ter fâs tão fiéis.

Famosa por ser utilizada em vinhos doces, a riesling também produz secos refrescantes, com pronunciada acidez.

separador

tempranillo

Nativa da Rioja, a mais famosa região vinícola espanhola, a tempranillo é utilizada na grande naioria dos vinhos tintos e rosés vindos de lá.

Seu charme é produzir bebidas de grande diversidade de aromas, que costumam ser enriquecidos pelo envelhecimento em barris de carvalho.

 

separador

pinot-noir

Desde a Antiguidade a pinot noir é cultivada na França, especialmente na Borgonha, onde produz os tintos mais elegantes do mundo.

Em nenhum outro país ela atinge a mesma excelência, pois é sua característica transparecer o terroir.

A uva também é famosa por compor o corte típico do champagne.

separador

savatiano

Com 4 mil anos de história, a vinicultura grega tem hoje como sua principal uva a cepa branca savatiano.

Dela é feito o retsina, vinho que contém resina de pinheiro.

Antigamente usada para selar ânforas, a substância atualmente é acrescida ao mosto, antes da fermentação, para lhe conferir especial refrescância.

separador

sangiovese

A uva mais cultivada na Itália é sinônimo dos tintos da Toscana.

A sangiovese compõe 100% dos vinhos da célebre sub-região de Brunello di Montalcino e é misturada a cepas estrangeiras nos supertoscanos – que revolucionaram a vinicultura no país com a introdução de técnicas inovadoras nos anos 1970.

 

separador

touriga-nacional

A produção vinícola portuguesa tem se renovado nas últimas décadas, com destaque para os tintos das regiões do Dão e do Douro.

E a estrela desses vinhos é a touriga nacional, cepa nativa do país, semelhante à cabernet sauvignon e também usada na produção do tradicional vinho do Porto.

separador

pinotage

A pinotage surgiu na África do Sul e até hoje praticamente só existe lá.

Foi criada em 1925 em Stellenbosch, célebre região vinícola do país. Resultou do cruzamento entre a pinot noir e a cinsault, unindo a delicadeza da primeira à intensidade da segunda em tintos picantes e frutados.

separador

malbec

Poucas regiões são tão identificadas com uma uva quanto Mendoza (de onde vem a grande maioria dos vinhos e qualidade da Argentina) e malbec.

Nativa da França, a cepa sente-se em casa no planalto seco do centro-oeste do país sul-americano, gerando bebidas vigorosas e aromáticas.

separador

shiraz

Shiraz é o nome pelo qual a syrah é conhecida no Novo Mundo.

E nenhum outro país é tão identificado com essa uva quanto a Austrália.

A variedade é a mais cultivada na nação e a base de regiões de destaque, como Barossa Valley, resultando em vinhos encorpados e de rica coloração.

separador

riesling-italico

Alguns dos espumantes gaúchos estão nas listas dos 100 melhores do mundo. Eles são feitos principalmente de chardonnay, pinot noir e riesling itálico, com destaque histórico para esta última.

Rara no resto do mundo, chegou aqui em 1900, sendo a primeira casta nobre a gerar brancos varietais no país.

separador

carmenere

Dizia-se que a carmenére estava extinta, após ser devastada por uma praga no século 19 na França, de onde é nativa.

Nos anos 1990, porém, descobriu-se que ela sobrevivia no Chile, onde era confundida com a merlot.

Desde então, tornou-se ícone do país, exalando seus típicos aromas herbáceos.

separador

cabernet-sauvignon

Desde que os vinhos do Napa Valley, na Califórnia, venceram os franceses no Julgamento de Paris, em 1976, a região despontou como expoente no Novo Mundo.

Sua uva típica, cabernet sauvignon, resulta no tradicional Napa Cab, envelhecido em carvalho, com aromas de cassis e chocolate.

separador

sauvignon-blanc

Três quartos dos vinhos neozelandeses vêm da região de Marlborough, onde o clima seco e ensolarado abriu os braços à sauvignon blanc.

Os produtores apostaram tudo na refrescante cepa branca e com ela ganharam respeito internacional, criando pungentes bebidas cítricas e herbáceas.

separador

tannat

Em nenhum outro lugar do planeta produz-se tanta tannat quanto no Uruguai.

Nativa do País Basco, a casta adaptou-se muito bem à região do Prata.

E quanto mais uruguaios decifram os segredos dessa variedade tânica e robusta, mais se destacam no mercado do Novo Mundo.

separador

fonte: Hendric Sueitt - revista “O que tem pra jantar?”

Até breve.    Siga-nos nas redes sociais assinatura

Nenhum comentário:

Postar um comentário